O buquê – Parte III

20 Jun

 

— Melhor eu me apressar antes que a tempestade comece.

— Parece que já começou — disse Will. Do outro lado da rua, galhos se moviam violentamente, fazendo muito barulho.

— Este ventinho de nada? — disse o senhor. — Ah, convenhamos, isso é só um bebezinho querendo mamar. Vai ficar muito pior quando anoitecer, pode escrever. — Ele olhou para nós. — Inclusive, crianças, não era para vocês estarem em casa, na segurança do lar?

Era difícil ficar ofendida quando um senhor sem dentes lhe chamava de “criança” — mas por favor, era a segunda vez em vinte segundos. — Nós estamos no primeiro ano do ensino médio — respondi, — nós sabemos nos cuidar.

A risada dele me fez pensar em folhas mortas.

— Tudo bem, então — disse ele. — Vocês que sabem.

— Ele deu passinhos pequenos até a varanda. Will acenou e fechou a porta.

— Pessoa maluca — disse uma voz atrás de nós. Ao nos virarmos, vimos Madame Zanzibar na porta do consultório.

Ela usava calças de moletom rosa choque da Juicy Couture com um top da mesma cor, cujo zíper estava aberto até a altura das clavículas. Seus seios eram redondos, firmes e incrivelmente enxutos, considerando que ela não estava vestindo sutiã. Ela usava um batom laranja claro

que combinava com as suas unhas e com a guimba do cigarro

que já estava terminando entre os seus dedos.

— Então, nós vamos entrar ou vamos ficar aqui fora?

— perguntou ela para nós três. — Vamos desvendar os mistérios da vida ou deixá-los quietos onde estão?

Eu me ergui da cadeira e puxei Yun Sun comigo. Will fez o mesmo. Madame Z nos mandou entrar logo, e nós três sentamos juntos em uma poltrona estofada. Will percebeu que não cabíamos ali e foi sentar-se no chão. Me mexi para que Yun Sun me desse mais espaço.

— Viu? Elas são duas salsichas — disse ela, referindo-se as suas pernas.

— Chega para lá — comandei.

— Então — disse Madame Z, passando por nós e sentando-se atrás da mesa —, o que vocês querem?

Mordi o lábio. Como eu poderia explicar?

— Bem, você é médium, não é?

Madame Z soltou uma nuvem de fumaça.

— Nossa, Sherlock, o anúncio nas páginas amarelas lhe deu essa informação?

Fiquei encabulada, ainda que estivesse sentindo raiva. Minha pergunta havia sido uma forma de começar uma conversa. Ela tinha algum problema com inícios de conversas? Enfim, se ela realmente era médium, devia saber por que eu estava ali, certo?

— Bem… OK. Sim, claro, sei lá. Então eu acho que eu queria saber se…

— É mesmo? Fale logo.

Eu uni forças.

— Bem… eu queria saber se uma certa pessoa vai me fazer uma certa pergunta. — Não olhei para o Will, de propósito, mas ouvi a inspiração surpreendida dele. Ele não havia previsto aquilo.

Madame Z pressionou a testa com dois dedos e deixou seu olhar se perder no nada.

— Amem — disse ela. — Hum, hum. Estou recebendo respostas confusas. Ha uma paixão, sim — Yun Sun deu uma risadinha, e Will engoliu a saliva —, mas também ha… como posso dizer? Fatores que complicam?

“Poxa, muito obrigada, Madame Z”, eu pensei. “Da para ir mais a fundo nisso? Alguma dica de como resolver esse impasse?”

— Mas ele… quero dizer, a pessoa vai agir em relação a essa paixão? — Eu estava firme, apesar do nó no estomago.

— Agir ou não agir… eis a questão? — disse Madame Z.

— Sim, eis a questão.

— Ahhh. Esta sempre e a questão. E o que as pessoas devem se perguntar e… — Ela interrompeu a fala. O olhar dela voltou-se para Will, e ela ficou pálida.

— O que? — perguntei.

— Nada — disse ela.

—Tem alguma coisa — retruquei. A performance do recebimento de mensagens do alem não estava me convencendo. Ela queria que acreditássemos que ficou possuída de repente? Que ela teve uma visão definitiva e poderosa? Ate parece! Apenas responda a droga da pergunta! Olhando para mim com olhos vazios, ela disse:

— Se uma arvore cai em uma floresta e ninguém esta por perto para escutá-la, mesmo assim ela faz barulho?

— O quê? — eu respondi.

— É tudo o que tenho para lhe dizer. É pegar ou lar­gar. — Ela parecia estar agitada, então resolvi aceitar. Mesmo assim, dei um olhar desconfiado para Yun Sun quando Madame Z não estava olhando.

Final parte III

Eu decidi que não vou mais postar em pedacinhos e sim deixarei o link para vocês fazerem o download, porque é meio chato ficar colocando em pedaços eu bem sei a vontade que dá de ler tudo de vez. Abaixo o link :

http://www.megaupload.com/?d=U4Y5L7GB

O link é do livro Formaturas Infernais, tem cinco histórias todas ótimas,  o buquê é a segunda !

 

                                                                               Xoxo,

                                                                                              Nanda !

 

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

paulapasquali.wordpress.com/

Tendências, notícias e cultura pop com informações atualizadas de uma forma simples e perspicaz do que está em voga por aí!

OiCarolina

The girl of 5th avenue

niinasecrets.wordpress.com/

secret tips you find here !

latinosamericanos

Just another WordPress.com site

Ponto de vista adolescente

Young, wild and free.

%d bloggers like this: